.mais sobre mim

.posts recentes

. Reflexões Políticas VII

. Reflexões Políticas VI

. Reflexões Políticas V

. Reflexões Políticas IV

. Reflexões Políticas III

. Reflexões Políticas II

. Reflexões Politicas I

. Nomeação

. Opinião: Gestão por polít...

. Opinião: Os Partidos

.Arquivo

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.links

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
17
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO
Domingo, 23 de Setembro de 2007

Reflexões Políticas VII

O preço da liberdade
 
Quero concluir esta onda de reflexões políticas, de cariz partidário, dizendo que finalmente se realizou uma Assembleia de Militantes dos Socialistas da Concelhia de Alcobaça. Não ousarei comentar o que lá se passou, mas sempre quero deixar um recado e um obrigado ao militante do PSD que levou cópias destas minhas reflexões para os dirigentes da minha Secção. Obrigado pela ajuda.
 
Bem quanto a reflexão fiquei com a mesma sensação de ter tomado o pequeno almoço, almoço e jantar tudo na mesma refeição É uma sensação esquisita, pois acho muito mais saudável ir tomando cada uma das refeições na hora certa, e com os necessários intervalos, para não ficar indisposto.
 
Gostaria ainda de recordar aquela anedota de um tal jovem que entendeu que deveria ser monge, e foi para um convento muito austero, onde o silêncio apenas poderia ser quebrado se 4 em 4 anos. E de cada vez que falasse estava obrigado a ser muito sucinto e concreto, pois apenas podia dizer duas palavras.
Ora o bom monge ao fim de 4 austeros anos, pode falar e disse ao seu superior as duas palavras que lhe eram permitidas “Cama ruim”. Quatro anos mais tarde voltou ao parlatório e pode dizer mais duas palavras “Comida má”. E quatro anos depois, ou seja passados 12 anos, voltou junto do seu superior e pronunciou mais duas palavras “vou-me embora”, ao que o Superior respondeu “não admira, você desde que aqui chegou não parou de refilar”.
Para bom entendedor meia palavra basta ….
 
 
Frontalidade
É caro o preço que se paga para se ser livre. Sempre gostei de pensar pela minha cabeça e de ter as minhas opiniões. Naturalmente não sou o centro do mundo e este não gira à minha volta (felizmente, senão girava muito pouco) e naturalmente nem sempre tenho razão. Mas, como só os burros não mudam, quando vejo que não tenho razão facilmente mudo pois só assim se pode evoluir.
Certo é que sempre dei a cara pelas minhas ideias e opiniões e sempre me recusei a esconder-me sob a capa do anonimato, por isso sinto e sei o quanto custa e o preço que se paga para exprimir publicamente aquilo que se pensa, sobretudo quando isso não está em sintonia com a ortodoxia ou com o politicamente correcto.
Se disser isto acontece aquilo, logo para atingir algo devo dizer uma coisa bem diferente daquilo que penso. Sempre me recusei a enveredar por este caminho do politicamente correcto e sempre preferi ser politicamente verdadeiro, mas esta opção de ser livre, tem naturalmente o seu preço, bem caro por sinal.
A sociedade civil é frágil e dependente dos poderes instituídos seja eles o Estado, a câmara, a junta de freguesia, a religião, o partido, o patrão, ou outros poderes sejam eles quais forem que deixam o espírito de liberdade sistematicamente condicionado por um calculismo permanente. Essa não será seguramente a minha postura. Digo o que penso com verdade e frontalidade, naturalmente com respeito. Não seria capaz de viver isolado da sociedade, e sei que tenho que viver e conviver respeitando os outros, as suas opiniões e a sua forma de estar. Os outros terão o dever de me respeitar. Nem sempre é isso que acontece. Quando não se segue no caminho do rebanho e não se anda à voz do pastor geralmente pagamos a factura. Não sei por onde vou, mas sei que por esse caminho não vou, por isso convicto de que quero ser livre, vou continuar a querer pensar pela minha cabeça, a ter as minhas opiniões, a ser frontal e directo custe o que custar. Mas, todos os que ousam trilhar este caminho, geralmente acabam arredados e afastados. Prefiro continuar assim, mas não me peçam para ser hipócrita e cobarde.
publicado por Joaquim Marques às 18:09

link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De António Delgado a 24 de Setembro de 2007 às 20:12
Não tenhas problemas com essa tua frontalidade ela é e será a honra dos verticais e tu és um deles! Não te preocupes com aqueles que não o são e engolem a liberdade como se fosse para acabar com a dos outros. E de tanto a engolir como verdadeiros “gasupões” que são transformam-se em bolas de sebo rançoso e “toucinheiro”. Talvez fosse útil ser-lhes indicado um antídoto: um pouco de exercício e o cavar não estaria mal. Além de muitas outras coisas fazia descer o colesterol cerebral que infelizmente afecta uns quantos. Parece-me que Alcobaça é uma zona privilegiada para este tipo de doença urbana porque se desenvolve em condições muito favoráveis...será por questão de genes locais, clima, desleixo ou "estultícia médica"?



Força Joaquim e sabes que contas com meu apoio.



Um abraço António Delgado
De Anónimo a 13 de Outubro de 2007 às 02:39
Meu caro Joaquim Marques

As suas palavras vêm mesmo a calhar agora que os eleitos do PS local estão cada vez mais candidatos a ficarem semelhantes a um ZERO.
Agora até vão ter de conviver com o regresso do Daniel e vai ser engraçado vê-los a rabiar entre eles, eheheheh!!!
António Inglês
De Joaquim Marques a 13 de Outubro de 2007 às 12:23
Meu Caro António Inglês
Obrigado pelo comentário, e de facto o PS/Alcobaça mergulhou num caminho muito complicado. Os dirigentes locais não são capazes de ver que não conseguem ter credibilidade junto da opinião pública. Andam convencidos de que são muito bons, e que estão a fazer um bom trabalho, mas nessa ilusão só andam eles mesmos. Claro que por este caminho no proximo mandato o PS estará mesmo no zero.
Bem quanto ao regressso do Daniel Adrião só posso dizer que não augura nada de bom para o PS. É um peso morto, ~e de tão pesado só ajuda o PS a afundar-se ainda mais. Cabe aqui uma palavra de louvor para Dulce Bagagem que exerceu a vereação com empenho e dignidade.
O Dr Sapinho não poderia querer melhor.
De Anónimo a 26 de Outubro de 2007 às 08:56
Meu caro amigo Joaquim Marques
Deixei-lhe no meu Porentremontesevales um anel de amizade mas sobretudo de solidariedade que espero vá recolher.
Deixo-lhe um abraço
José Gonçalves
De Joaquim Marques a 7 de Novembro de 2007 às 21:48
Olá Amigo


Obrigado, tardiamente recolhi o anel de amizade e solidariedade que me deixo no seu Por Entre Montes e Vales.
Sinta-me reconhecido por me envolver nesse anel e nesse laço de solidareidade. Obrigado pela amizade.
De sophiamar a 6 de Novembro de 2007 às 17:30
Tive curiosidade em conhecer-te depois de ter lido um comentário teu ( desculpa tratar-te assim mas devemos ter idades aproximadas) no blogue do José gonçalves, amigo virtual que muito estimo pela sua simpatia e educação. Além disso, o conteúdo dos seus posts tem suscitado o meu interesse. Encontrei-te e tive gosto em conhecer o teu blog. Foi a Maria Faia quem, a meu pedido, mo indicou. Voltarei para ler com tempo o que aqui deixaste escrito sobre poder local mas deixo-te já os parabéns extensivos a todos os amigos dessa zona cujo contributo tanto enriquece a blogosfera.
beijinhos
De Joaquim Marques a 7 de Novembro de 2007 às 21:32
Olá sophiamar

Obrigado pela visita. Obrigado pelo comentário. É sempre bom saber que alguém lê alguma coisa do que escrevemos.
Como por te dizer, que os meus blogs andam sempre muido desactualizados. Umas vezes por falta de tempo, outras por falta de inspiração e muitas por falta de motivação.
Mas de vez em quando lá faço nascer mais um pouco de prosa, em que tento articular palavras que espero possam ter algum sentido.
Passo pelos blogs de vez em quando, prendo-me nalguns que me convidam mais à leitura, outros por respeito para com os amigos e alguns outros por onde apenas vou passando de quando em vez.
Creio que tenho deixado alguns comentários no blog do José Gonçalves, sobretudo deixei um comentário pouco abonatório no blog desse amigo que muito prezo. Mas a amizade não me obriga a estar sempre de acordo, obriga-me a ser sincero e dizer com frontalidade aquilo que penso. E o José Gonçalves, que me conheçe muito bem sabe dessa minha frontalidade. E, apesar de eu ter sido critico ele sabe entender isso.
Quando aos meus blogs centram-se nas questões da minha terra, a Cela, no concelho de Alcobaça.
Alcobaça o concelho que me envolve e por fim as questões da politica e do poder local. Amiga, são esses os temas aos quais mais me rendo. Porém ando numa fase que raramente tenho vontade de escrever.
Termino agradecendo a visita.
De José Gonçalves a 8 de Novembro de 2007 às 02:49
Meu caro Joaquim
Conheço a sua frontalidade, e conheço o seu feitio, talvez melhor que ninguém. Estarei certo ou errado?
Não me queria alongar muito no novo comentário que fez, quer aqui no seu blog, quer no blog da sophiamar , mas penso que o meu amigo continua a elaborar num erro tremendo. Em primeiro lugar já deveria saber, antes de fazer o comentário que o texto não era meu. Por isso, não estando de acordo com o texto, está no seu perfeito direito de o expressar. O que não podia fazer, ou não deveria pelo menos, era apelidar-me de vendedor de tretas como as suas palavras deixaram nas entrelinhas.
Eu sei que a cultura geral do meu amigo é vastíssima, mas se quiser, um dia destes mostrar-lhe-ei um texto seu , sobre São Martinho do Porto que, não evocando lendas nem fábulas, como as apelida, remete-nos igualmente para eventuais situações da presença humana que alguns séculos antes de Cristo, por aqui terão passado. Não gostando o meu amigo de historietas que se misturam com a história e dela não fazem parte, fico sem perceber o que pretendeu com o seu célebre comentário que pelos vistos já corre por aí fora.
Como diz e muito bem o meu amigo, não é por causa deste pequeno incidente que deixámos de ser amigos e eu entendo muito bem a sua frontalidade, espero que também saiba interpretar a minha.
Um grande abraço
José Gonçalves
De António Inglês a 28 de Novembro de 2007 às 02:03
Meu caro companheiro

Ainda estou à espera do tal artigo. Quando o tiver pronto e quiser faça o favor.
Outro assunto, constou-me que não iria ao nosso almoço do dia 8 de Dezembro. Desconheço as razões mas certamente que sabe que estamos todos à espera da sua presença.
Um abraço
António Inglês

Comentar post