.mais sobre mim

.posts recentes

. Reflexões Políticas VII

. Reflexões Políticas VI

. Reflexões Políticas V

. Reflexões Políticas IV

. Reflexões Políticas III

. Reflexões Políticas II

. Reflexões Politicas I

. Nomeação

. Opinião: Gestão por polít...

. Opinião: Os Partidos

.Arquivo

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.links

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
17
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007

Reflexões Politicas I

PS/Alcobaça perdeu o passado
e não encontra o futuro
 
 
O PS/Alcobaça perdeu o passado e não consegue encontrar o futuro. É certo que não podemos viver de memórias, e o passado não será perfeito como nada na vida é perfeito. Mas, se não tivermos os pés bem assentes no passado numa seremos capazes de construir o futuro. Se perdermos a memória não teremos identidade nem rumo. O PS/Alcobaça perdeu a memória do seu passado, mas perdeu também o rumo e por mais voltas que dê não consegue encontrar o futuro.
Frequentemente tem-se ouvido críticas ao PS/Alcobaça, umas mais em surdina, outras mais visíveis. Agora no “Jornal de Leiria” o Arquitecto Leonel Fadigas fez duras críticas a esta Secção Concelhia que acusa de não ter “crédito, imagem, ou propostas”. A prova de que ele tem razão está bem patente na representação que o PS conseguiu nas últimas eleições autárquicas.
A nova geração do PS/Alcobaça hostilizou o passado do Partido no concelho e quis apagá-lo. Se é certo que as mentalidades renovadoras não quiseram preservar a memória, também é certo que não conseguiram construir nada. De tal forma que o passado já não é memória mas apenas “eterna saudade”. Na tentativa de apagar o passado, tudo o que tem sido feito têm sido passos em falsos, e a única proeza que as últimas lideranças conseguiram foi a de levar o PS ao pior resultado de sempre. Um partido que foi poder, que teve uma maioria de cinco vereadores na Câmara, caiu para apenas dois vereadores e depois tragicamente para um.
 
1993
1997
2001
2005
%
Mandatos
%
Mandatos
%
Mandatos
%
Mandatos
PS
71,43
5
28,57
2
23,5
2
17,12
1
PSD
28,57
2
57,14
4
46,89
4
55,08
5
PCP
6,37
0
14,27
1
22,19
1
15,98
1
Dados disponiveis no site do STAPE
Foi um partido que teve a maioria das juntas de freguesia no concelho, mas resta-lhe apenas uma (a Maiorga). O Partido tem vindo a despedaçar-se de queda em queda, e este facto, deveria ser razão mais do que suficiente para que os dirigentes locais promovessem uma reflexão e ouvissem com humildade as opiniões dos militantes. Porém, preferiram meter a cabeça na areia, e caminham encantados na cena politica local apesar de ninguém prestar atenção ao espectáculo trágico cómico que em vão tentam representar. Em equipa que perde … no futebol já teria havido chicotada psicológica, mas na nossa política … lá vamos rindo encantados …
Este PS têm as mãos cheias de nada e a ambição de coisa nenhuma.
Seguramente que o PS ainda têm alguns militantes com valor, certamente ainda tem valorosos simpatizantes que poderiam engrossar as fileiras do Partido mas estão impedidos de intervir politicamente porque apenas meia dúzia de pseudo iluminados, podem ter papel activo na vida da Secção. O que fazem não se sabe muito bem, se existe acção política não se consegue ver, e o pouco que se vê, e mau ou muito mau.
Militantes ignorados
Grave e preocupante é o facto de não haver espaço onde os militantes possam intervir. Esta reflexão é algo que gostaríamos de poder partilhar no espaço próprio. Mas como não existe espaço próprio, teremos que recorrer aos espaços impróprios.
Julgo-me uma pessoa minimamente esclarecida e um cidadão activo e comprometido com a sociedade. Sou militante do PS, embora inconformado com a realidade partidária pelo que entendo manifestar publicamente a minha opinião em jeito de desafio para reflexão.
Até à muito pouco tempo rezava o provérbio popular “entre marido e mulher, não metas a colher” para assim dizer que os problemas de casa não deviam ser tratados na rua e com a intervenção da sociedade. Porém, mudaram as mentalidades, e hoje para bem de uma sociedade mais humana e mais digna a violência doméstica é crime. Também a vida politica e partidária tem que sofrer evolução. É frequente ouvir-se dizer que os problemas internos se resolvem internamente, ou seja no seio do Partido. Mas como esse espaço não existe, teremos que encontrar formas alternativas. Os partidos, funcionam quase como sociedades secretas, onde nada deve transbordar para o exterior e, quando alguém ousa transpor para o exterior problemas do foro interno, tem quase sempre sobre si a espada da censura interna e abre-se-lhe a porta da rua, para onde se é geralmente empurrado.
A defesa da Democracia
Reli a Declaração de Princípios do Partido, onde no nº 13 se pode lerO PS acredita que é preciso ser-se radical na defesa da democracia, … para o PS, são prioritárias as reformas … que favoreçam a participação democrática.Espero que o PS não siga a doutrina de Frei Tomás, faz o que ele diz e não o que ele faz. Por isso, convicto de que é preciso ser radical na defesa da democracia ouso tornar pública a minha opinião sobre a vida da Secção de Alcobaça do PS. No interior do Partido são prioritárias reformas que favoreçam a participação democrática e por isso expresso a minha reflexão. Sei que corro riscos. Mas de uma coisa tenho a certeza. Posso não ganhar nada com esta atitude, mas também não é menos verdade que também não perco nada, pois nada tenho a perder.
publicado por Joaquim Marques às 10:35

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De antonio delgado a 14 de Setembro de 2007 às 15:07
Caro Joaquim acho muito oportuno o teu artigo independente da citação que fazes ao Leonel Fadigas arquitecto , engenheiro, professor urbanista?????), não sei como o designar. De facto não sei se o partido existe ou não, não o vejo e das pessoas que conheço do PS , em Alcobaça, excepção a duas ou três (esgravatando talvez se encontre mais), não vislumbro nas demais, apetência para discutirem nada que possa educar elevar ou interessar ao nosso concelho....possivelmente estou a ser generalista ou então é um defeito meu devido às exigências e serieda que me imponho . Ou então são as pessoas que vêem a politica como coisa coisa que não dignifica ninguém, nem é para gente de bem...tal como penso neste actual panorama. e basta ver o que os jornais mostram sobre os políticos : não declaram impostos, são mentirosos, falam do que não tem e intitulam-se do que não são; desrespeitam as mais elementares leis do estado, auferem ordenados chorudos e reformas de principes que em condições normais receberiam pouco mais que salarios minimos... e o povo percebe. alguns levam filhos sem experiencia nenhuma a trabalhar em lugares de responsabilidade etc.etc. etc. e tudo à conta de canzuadas que vivem unicamente da vida partidaria e lambem botas e fazem eu sei lá o que para serem subalternos. Isto acontece tanto à esquerda como à direita.
Mas voltando a Alcobça sabes também como eu que há pessoas incritas no PS em numero consideravel , no entanto não lhes conheço motivos para a cuasa publica...será interesse? será clubitis, sera por amiguismo? se souberes e responde
.... Enquanto existir o desafecto , como vejo em Alcobaça, e causa publica seja sinónimo de interesses pessoais e privados, como parece ser para alguns que estão identificados, o PS de Alcobaça andará sempre nas ruas da amargura e nunca será alternativa...mas gostava que o futuro me pregasse uma partida.

Um abraço e força

Antonio Delgado
De Joaquim Marques a 15 de Setembro de 2007 às 10:31
António

Obrigado pelo teu comentário e pelas considerações que trazes a esta reflexão. Não gostaria absolutamente nada de te dar razão, mas a verdade é que tens mesmo razão quando dizes que "as pessoas que vêem a politica como coisa coisa que não dignifica ninguém, nem é para gente de bem". A prova está no facto das eleites que comandam o PS Alcobaça afirmarem que estão a fazer um bom trabalho, mas nem sequer se aproximam dos militantes, só precisam dos seus votos. A vida partidária, na sua generalidade e na maioria dos partidos, afastou-se da seriedade e navega por águas turvas dos jogos de bastidores entre elites, do caciquismo, e dos oportunismos onde alguns buscam possíveis empregos já que por vezes nem sabem trabalhar.
Vamos vivendo com o que temos e com a expectativa de que as coisas possam mudar.

Comentar post